Receba meu informativo

Charges políticas

Share on Facebook1Tweet about this on Twitter0
0

Retratos do cenário político brasileiro em período eleitoral

Deixe um comentário



* campos obrigatórios.

Deixar uma resposta

  • Imagem do dia 21 | Julho | 2014
    Devastação Olímpica

    Impressionante a foto aérea postada no blog UrbeCarioca e que registra a completa devastação no Campo de Golfe, uma área protegida como de conservação ambiental. Seria ou não um crime olímpico-ecológico? Quem seriam os responsáveis? Confira aqui. [caption id="" align="aligncenter" width="560"] Crédito: Blog UrbeCarioca[/caption]

       Poluição sonora               Parque do Flamengo

    Crédito: M. M


  • Cine Leblon x Unidos da Tijuca: tratamento desigual 8 | Julho | 2014
    Cine Leblon x Unidos da Tijuca: tratamento desigual
    Share on Facebook318Tweet about this on Twitter6
    1

    Por que o prefeito da Cidade se compromete, pessoalmente, em alterar a decisão de um Conselho de Preservação que administra, para “salvar” uma atividade artística no Leblon, e permite que uma das melhores e maiores escolas de samba do Rio seja desalojada para dar lugar às torres de um mega empresário imobiliário americano? A notícia,nesta terça-feira, na mídia, revela o tratamento desigual e sem qualquer comprometimento com o planejamento urbano e, em especial, com a preservação do patrimônio cultural da Cidade.   O despejo da Escola de Samba Unidos da Tijuca, da Zona Portuária, para dar lugar às milionárias “Trump Towers”, sob os auspícios da Prefeitura e da Caixa Econômica Federal, é um escárnio feito às nossas tradições e ao título de paisagem cultural dado pela Unesco à Cidade. As torres contribuirão enormemente para a obstrução da visão do cenário da paisagem do Rio. Enquanto isso, sob o pretexto - ineficaz - de “salvar” as atividades do Cine Leblon, anuncia-se o destombamento do prédio, criando-se um gravíssimo precedente na política de preservação da Cidade. Tudo caminha para o descaminho urbanístico na Cidade. E o “rei” do Rio não está sendo justo porque age sem equanimidade. E, como disse um cronista, "aos amigos tudo, aos inimigos a lei". Confiram também : Preservação de usos no Rio vai ter sucesso? Perimetral ou Trump Towers    
  • Novas obras sem projeto no Parque do Flamengo / Marina da Glória? 25 | Junho | 2014
    Novas obras sem projeto no Parque do Flamengo / Marina da Glória?
    Share on Facebook205Tweet about this on Twitter5
    1

    Recebemos a denúncia de obras realizadas na Marina da Glória, sem placas de aviso, para recuperação de rampa no local. Segundo informações, questiona-se o fato de o pátio destinado aos  barcos transformar-se em estacionamento de carros para eventos, locando-se as embarcações na orla e contribuindo para a poluição visual da área. Foram aprovadas pela Prefeitura? E pelo IPHAN? Quais o projetos para a área, após a saída da contratada REX do ex-grupo EBX? Confiram os registros e as observações feitas. [caption id="attachment_18436" align="aligncenter" width="323"] Obra de recuperação da rampa em 22.06.2014[/caption] [caption id="attachment_18437" align="aligncenter" width="242"] Nota-se inconstância de nível de ferragem, muito próxima da laje inferior sujeita à ação de infiltração de água salgada entre lajes[/caption] [caption id="attachment_18439" align="aligncenter" width="242"] Nota -se falta de corretos blocos espaçadores de altura das ferragens; pouca sobreposição entre malhas; laje ainda suja com lodo pós ferragens[/caption] Crédito e agradecimentos ao leitor A.C.C  
  • Fernandinha, Cine Leblon e o Olaria também 16 | Junho | 2014
    Fernandinha, Cine Leblon e o Olaria também
    Share on Facebook270Tweet about this on Twitter10
    0

    Na Vejinha desta semana, a artista Fernanda Torres lamenta o fechamento do Cine Leblon, dizendo: "Devia existir um decreto para impedir que, ao crescerem, as cidades deixem de ser o que são". Ora, existe sim.  Não só um decreto, mas leis e até Constituição Federal. Leis é o que não faltam. Veja o que diz a LOM (Lei Orgânica do Município de Rio de Janeiro - 1990): "art.140 - Entende-se por: I - Sítio Cultural - espaço da Cidade, de domínio público ou privado, que por suas características sócio-espaciais e por sua história constitua-se em relevante referência a respeito do modo de vida carioca, ou trate-se de local de significativas manifestações culturais, ou possua bens imateriais que contribuam para perpetuar sua memória".   Por isso mesmo é que o Cine Leblon está numa Área de Proteção do Ambiente Cultural (APAC).   O Instituto Rio Patrimônio da Humanidade (IRPH) dará autorização para descaracterizar ?  Flexibilizar? Mudar as características de cinemas de bairros, inserindo-os dentro de um edifício comercial como tantos e tantos outros?  Qual o custo financeiro em face ao custo sócio-ambiental? Em Olaria, tradicional bairro carioca tem, e não tem, a mesma sorte do Cine Leblon. É que aquele cinema espera há anos ser reconhecido como patrimônio cultural carioca. Seu processo tramita lentissimamente de gabinete em gabinete na Prefeitura desde 2006 (22/000.409/2006). Está, atualmente, sob exame no "instituto da humanidade" - o IRPH -, que ainda examina o cabimento de protegê-lo como patrimônio cultural!  Quando se cumprirá a regra da Lei Orgânica também para Olaria?  E os recursos para reforma e recuperação do cinema?  Talvez nas vésperas das próximas eleições municipais?  Quiçá...  Portanto, leis temos e muitas. E os legisladores sabem muito bem o quão teórica é a norma. O difícil é fazer com que as autoridades cumpram o pactuado na lei, ou que controlem, efetivamente, as autoridades que não a cumprem. Aí a história é outra.   Leia também: Revitalização do Cine Olaria (requerimento enviado à Secretaria Municipal de Cultura (SMC) durante o mandato na Câmara Municipal do Rio de Janeiro)
  • Light pode ter terreno da Prefeitura na Barra 10 | Junho | 2014
    Light pode ter terreno da Prefeitura na Barra
    Share on Facebook200Tweet about this on Twitter3
    0

    Encontra-se na pauta de votação da Câmara um projeto de lei pretendendo que seja autorizado ao Executivo vender à Light, e somente a esta, uma área de quase 10 mil m² (1 ha) de terras, em área privilegiadíssima na Barra da Tijuca, Zona Oeste do Rio. O Executivo justifica o pedido dizendo que a área destina-se à construção de subestação daquela concessionária, mas não coloca isso no texto da lei. Um fato grave, pois, no futuro, esta área não estará vinculada, por lei, a este serviço público, e a empresa poderá fazer um bom negócio imobiliário com ela! Além disso, a justificativa não explicita se a área foi proveniente da porção obrigatória de terras públicas derivadas da lei de parcelamento do solo (lei federal 6766/79), o que, na minha opinião, deveria obrigar a Prefeitura a vincular ao equipamento de serviço público ou a outra área pública de equipamento comunitário. Confiram a foto:
  • Copa no Rio: hospital é derrotado pelas estruturas temporárias do Maracanã! 2 | Junho | 2014
    Copa no Rio: hospital é derrotado pelas estruturas temporárias do Maracanã!
    Share on Facebook1,673Tweet about this on Twitter14
    0

    R$ 50 milhões para reformar o Hospital São Francisco de Assis x R$ 105 milhões para as estruturas temporárias para os eventos da Fifa no Maracanã nos jogos da Copa ! Enlouqueceram ? A notícia sobre a reforma do Hospital da Universidade Federal do Rio de Janeiro, tombado pela União como patrimônio cultural da nação, foi objeto de reportagem, em página inteira, neste domingo, dia 1º, e referida como "juntar os seus cacos"! O hospital fica no Centro do Rio, ao lado da Prefeitura. A notícia sobre os custos das estruturas temporárias a serem bancadas ao governo do estado (?), foi divulgada pelo jornal "O Globo" no sábado ! E ainda: a reforma do hospital está programada para ser finalizada - se for - em 2020 !  Retrato de um Brasil que precisa mudar ! E é por isso que não podemos desdenhar os que reagem - pelo menos agora - contra os gastos da Copa. Leiam também : Conta estourada - Folha de São Paulo Em nosso site: Dois Franciscos: hospitais homônimos, sortes diferentes “Hospital São Francisco de Assis ou Crônica de um descaso” “Entrevista exclusiva com a vice-diretora do Hesfa” “A agonia de um paciente quase terminal” À espera de um resgate - Parte I - Parte II - Parte II