Receba meu informativo

A fartura e a desvalorização dos imóveis urbanos

4

Reproduzo aqui, por ser oportuno, um texto que escrevi em 2010, e que encontrei ontem, em meu computador, enquanto preparava material para o trabalho que irei fazer esta semana no Equador. Achei-o atual. Confira.

Panamá-cidade-2013-401“Estou na Guatemala, participando de mais um curso de Políticas de Solo para Países da América Latina. Ontem houve a exposição do Professor panamenho Alvaro Uribe sobre o que está se passando na capital daquele País, na cidade do Panamá, em relação ao controle do uso do solo.

Quem vê fotos da Cidade do Panamá surpreende-se pela enormidade dos predios de 50 andares; não um ou dois, mas dezenas deles, fazendo uma verdadeira barreira na sua parte mais interessante da cidade – no seu litoral.  Por outro lado, o que resta do centro histórico da cidade continua abandonado.

Foi uma densificação descontrolada da cidade, pois não havia norma, lei que estabelecesse limites.  Os investidores imobiliários confiaram na alta dos preços dos imóveis, como se esta alta nos preços fosse bom para eles, e para a cidade.  Ledo engano.

Acontece que explorou-se tanto a densificação do solo, construiu-se tanto, que a quantidade de imóveis  ofertados acabou desvalorizando todo o mercado!  O mercado ficou obeso!  O pior é que aqueles imóveis (prédios de luxo) têm altos custos de manutenção, e não servem para serem disponibilizados para moradias para população de baixa renda, nem de renda média.  Eles estão vazios e sem compradores!

A situação da cidade também piorou, pois aquele tipo de “criação de desenvolvimento” acabou gerando pesados encargos urbanos na infraestrutura, insuportáveis e não sustentáveis.  E, por consequência, está acontecendo uma rápida deterioração dos equipamentos urbanos da Cidade do Panamá: calçadas, ruas, redes de água e esgoto, etc….

Esta lição do Panamá não é exclusiva daquele país, nem daquela cidade.  O discurso “desenvolvimentista” pode ser uma “trampa” (como dizem os “hermanos”), pois as ações propostas não tem, necessariamente, nenhum compromisso com o bem estar social.  E, muitas vezes, nem mesmo trazem riquezas, mas somente uma produção descontrolada de uma mercadoria urbana.

As leis de ordenamento do solo sempre trazem limites, limites necessários ao bem estar social, e á redistribuição, entre todos, dos custos da urbanizacao e dos servicos urbanos.  Por isso vale a pena estar alerta a este tema, que diz respeito a todos nós que vivemos nas cidades, pequeñas, médias ou grandes, e que estamos muito expostos a falsos discursos desenvolvimentistas, que pretendem justificar uma escapada da lei, querendo nos ofuscar com o brilho fugaz de um falso ouro!”

No Rio, e também em Niterói, o projeto do Porto de codinome “maravilha” (e seu espelho araribóia) é a mercadoria que foi colocada goela abaixo nestas cidades.  Ainda há tempo de mudar!  A destruição da Cidade do Rio ainda está em curso …

Deixe um comentário



* campos obrigatórios.

Paisagem Cultural do Rio ameaçada pela obstrução de prédios

Galeria completa aqui

  • E por falar em imóveis abandonados, não só os históricos … 20 | Julho | 2017
    E por falar em imóveis abandonados, não só os históricos …
    0

    Imóveis abandonados não são  só uma questão dos bens históricos preservados. É uma questão urbanística, como mencionamos em nosso blog desta semana!  Vale para bens públicos e privados, como ressalta este editorial da Folha SP.   Neste artigo destaco a seguinte frase: “Paris, antes de privatizar 23 grandes áreas, promoveu concurso internacional para selecionar as melhores propostas. Evitou, assim, a proliferação de condomínios ou shopping centers que nada acrescentariam à cidade.”  Por que não imitar? (mais…)

  • “Uso de redes sociais na política esmaga o futuro” 12 | Junho | 2017
    “Uso de redes sociais na política esmaga o futuro”
    0

    Nesta entrevista à Folha de São Paulo, um dos especialistas franceses mais renomados em ciências da comunicação defende uma concepção da comunicação que privilegia o homem e a democracia, ao invés da técnica e da economia. “Eu sou da opinião de que há mais inconvenientes do que vantagens das redes sociais na política. É uma perversão total achar que a ausência de atores intermediários melhora a política. Não há política sem atores intermediários”, destaca. Confira aqui. (mais…)

  • Serra de São Domingos é tombada como patrimônio estadual 5 | Junho | 2017
    Serra de São Domingos é tombada como patrimônio estadual
    0

    A Serra de São Domingos, de Poços de Caldas, foi tombada como patrimônio estadual. O tombamento foi realizado pelo Conselho Estadual do Patrimônio Cultural de Minas Gerais. “Conservar a Serra de São Domingos é, como afirma Sônia Rabello Castro, ‘proteger do dano, da mutilação e da descaracterização’ ”, explica Françoise Jean , diretora de Proteção e Memória do Iepha-MG. Confira mais aqui.

  • Legado Olímpico do Rio torna-se herança a lamentar 29 | Maio | 2017
    Legado Olímpico do Rio torna-se herança a lamentar
    0

    Neste artigo, publicado no Urbe CaRioca, o destaque do National Post, com um relato detalhado onde Scott Stinson faz várias indagações, desde sobre o paradeiro das sementes levadas por atletas durante a abertura dos Jogos Olímpicos – que seriam destinadas à formação de um parque no pólo de Deodoro – até o prometido tratamento de esgotos que nunca chegou. Confira aqui.

  • América F.C. – História diz que shopping não salva clube 5 | Abril | 2017
    América F.C. – História diz que shopping não salva clube
    0

    Neste artigo do Urbe Carioca, a arquiteta urbanista Andréa Redondo destaca que “do mesmo modo que não há garantia de que estádios resolverão os problemas financeiros dessas instituições, é de se indagar se liberar a construção de shoppings, à custa do solo e da paisagem urbanas, salva clubes de futebol. (mais…)

    Cadastre-se

    Receba notificações de novas publicações

                   

    Paisagem Cultural do Rio ameaçada pela obstrução de prédios

    Galeria completa aqui

    Cadastre-se

    Receba notificações de novas publicações

     

    Cais do Valongo: patrimônio mundial. E agora?

    Crédito: Sonia Rabello