Receba meu informativo


21


Triste começo de 2015 e uma vergonha alheia imensa dos nossos governantes: vergonha por Lota, idealizadora do Parque do Flamengo

imagem

Crédito: Genilson Araújo

Nesta segunda-feira, dia 5, foi notícia de página inteira, no Jornal “O Globo”: “Marina menos Verde”! Nesta é afirmado que foi autorizado pela Secretaria Municipal (contra) de Meio Ambiente do Rio o corte de 298 árvores no Parque do Flamengo, no polêmico projeto para a Marina da Glória.

Como assim? Desmatar uma Unidade de Conservação? E a Secretaria aprovou? Com parecer de qual técnico? Ou foi por ordem de autoridade superior sem parecer técnico?

Teria o IPHAN (Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional) aprovado este desmando em área tombada e que tem o seu projeto original também tombado? Teria autorizado este corte de árvores em um Parque que é ponto de destaque no mapa enviado à Unesco para que o Rio recebesse o título de Paisagem Cultural Mundial?

Estariam enganado a Unesco, já que até hoje não foi encaminhado àquele órgão o plano de gestão da Paisagem Cultural Mundial?

Será que os Conselheiros do IPHAN compactuam com o que está acontecendo no Parque: motosserras, movimento de terra, fechamento de áreas públicas?  

Que convoquem uma reunião de emergência e digam à sociedade carioca, fluminense e brasileira se aprovaram ou não esta barbaridade e, caso não tenham compactuado com isso, que coloque-se os pingos nos “is” e determinem o embargo das obras imediatamente.

Isso para que não chorem sobre o “leite derramado”, como fizeram no caso da derrubada do Maracanã.

Sem consulta à sociedade - Não é verdade o afirmado pelo Sr. Washington Fajardo, na matéria citada, que a sociedade foi consultada. Ele, a direção do IPHAN no Rio e em Brasília, e o Governo da Cidade sabem, muitíssimo bem,  que a FAM-RIO oficiou no processo administrativo pedindo que se realizasse uma audiência pública para que se desse conhecimento à sociedade sobre o projeto, cumprindo assim o decreto de participação social da Presidente da República.

Sequer houve qualquer resposta à Federação de Associações de Moradores do Rio, até que a Presidente do IPHAN, em tempo recorde, autorizasse, por carta, o início das obras! Só então responderam que seria a Prefeitura que deveria realizar a consulta. O que não foi feito!

Uma vergonha termos afirmações tão inverídicas feitas com tanta leviandade! Isso foi matéria do nosso blog em 1º de dezembro, amplamente divulgado. Só não estava escrito no processo administrativo do IPHAN, cuja cópia divulgaremos nos próximos dias, o corte de 298 árvores no Parque do Flamengo.

Vamos dar clareza às responsabilidades e ver quem se manifestou pró ou contra, e quem assinou o quê, em benefício de quem.  

Vamos ver o que diz o Ministério Público Federal, a Justiça Federal, o Conselho do IPHAN, a Unesco e todas as autoridades que devem ter seu pedaço de participação neste processo.  

Para que, no futuro, não digam como de costume: eu não sabia….

leia mais...
 
0


Aos amigos que nos acompanham, desejo um ótimo 2015, com muita PAZ, SAÚDE e HARMONIA em cada dia do ano que se inicia !

 
4


interna_premio_iphan

São 78 anos de instituição e de construção contínua de uma política difícil, mas exitosa de preservação do patrimônio cultural brasileiro.

O IPHAN (Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional), uma instituição pública que, nos dias atuais, ainda nos faz acreditar no serviço público. E  carta abaixo revela isso, o valor do Instituto, feito por seus servidores. A eles, a minha homenagem neste final de 2014!

O IPHAN é uma das instituições mais relegadas ao desprezo pela Administração Pública Federal, mas sobrevive sobretudo pela luta incansável de seus funcionários de carreira. Dos funcionários que teimam em lá continuar, apesar de serem remunerados como as piores faixas de vencimentos da Administração Pública Federal (os motoristas do Congresso não ficariam por lá nem um mês; muito menos os servidores dos Tribunais em Brasília!)

Apesar de tudo isso, milagres acontecem  

Há uma década, o IPHAN permitiu que um grupo de servidores do Rio desenvolvesse o PEP – Programa de Especialização em Patrimônio -, que hoje tem o chancela de Mestrado Profissional.  

Foram muitas lutas para que o PEP sobrevivesse todos esses anos, lutas essas que tive a chance de presenciar não só como servidora da Casa por um período, como também como professora permanente, convidada do Programa.

Mas, para não me alongar, reproduzo aqui uma carta que recebi, enviada por uma aluna que acabou de concluir sua etapa no PEP. É comovente, didática e cheia de esperanças. Tudo de bom e merece ser lida:

Caríssima Adriana, (coordenadora adjunta…)

Gostaria que você fosse portadora dos meus maiores agradecimentos a toda equipe do PEP/MP 2012. Quando sai do Palácio Gustavo Capanema, na última 6ª feira, trazia o coração carregado de alegrias, de gratidão e de boas amizades.

Preciso lhe confessar que o grau de Mestre era para mim um sonho distante, que sempre vinha sendo postergado em função de filhos e da família como um todo. Quando consegui ser aprovada para a única vaga do Pará, disputada com uma catarinense e uma amapaense, nem imaginaria as imensas alegrias que eu teria a partir daí.

De uma só vez, realizei dois desejos regados como flores pequeninas e frágeis, ao logo de minha vida acadêmica: Trabalhar no IPHAN e ter um Mestrado. Mas veja que não era um mestrado qualquer, era pelo IPHAN e na área que sempre foi o que eu mais amava: patrimônio.

Nem sei como agradecer todo o investimento que o IPHAN fez por mim, desde valores materiais (a bolsa, as passagens, as hospedagens, Petrópolis, os passeios e visitas…) mas, principalmente, a riqueza incalculável do conhecimento que recebi de grandes mestres, alguns apenas conhecidos por mim de livros e publicações.

Espero, sinceramente, ter dado o meu máximo nos trabalhos da Superintendência e na Dissertação que desenvolvi ao longo deste 02 anos. Espero não ter decepcionado nenhum de meus mestres, os cordenadores do PEP, meu supervisor, meu orientador, minha superintendente… Espero ter sido uma aluna que valeu a pena!

Gostaria de agradecer a todos e a cada um , pessoalmente, com um abraço apertado, que pudesse mostrar o agradecimento que não consigo externar em palavras. É por isso que, em minha simplicidade, retribuo apenas com preces a Deus, que para mim são de grande valor, para que Ele os abençoe sempre, seus trabalhos e suas vidas.

Estes dois anos de trabalho, estudo e amizade serão uma jóia preciosa que adornará minhas mais doces lembranças. Obrigada por tudo o que fizeram por mim.

Com gratidão infinita,

P.A

 
1


Se a Câmara dos Deputados já “derrubou” o decreto da Presidente Dilma sobre Participação Social, e o Senado ainda não se manifestou, o IPHAN (Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional) foi mais rápido: enterrou a determinação presidencial ainda na vigência do agonizante decreto.

leia mais...
 
0


Nesta semana a mídia noticiou, mais uma vez, a contínua ausência de parlamentares no Plenário da Câmara do Rio. Grave, muito grave ! Ainda assim, os ausentes são reeleitos continuamente. O que há de errado então? A questão é que leis são votadas sem o voto direto do parlamentar.

leia mais...
 
  • Segurança Pública 22 | Janeiro | 2015
    Desordem Urbana

    O atual Governo da Cidade do Rio não tem nem planejamento consistente, nem ação efetiva que conduza a um verdadeiro programa habitacional nas favelas. Tudo é um arremedo de política circunstancial. Enquanto isso, muitos continuam festejando os milhões gastos nos equipamentos olímpicos! E, na Barra da Tijuca, na Zona Oeste, o Governo trocou terras públicas por parte deles! Há quem goste deste circo! Confiram aqui.

Obras na Marina da Glória

Crédito: Halley Pacheco de Oliveira


  • Aprovação pela Presidência do IPHAN na Marina da Glória: insuficiente! 9 | Janeiro | 2015
    Aprovação pela Presidência do IPHAN na Marina da Glória: insuficiente!
    5

    Em uma carta absolutamente sucinta, e sem visar as plantas, a Presidente do IPHAN - Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional - enviou para a Prefeitura do Rio o seu "de acordo" com o projeto da BR Marinas. Confira a carta enviada. Causa estranheza o fato desta aprovação não ter sido, ao que indica, ratificada pelo Conselho Consultivo do IPHAN. Parece que apenas a Câmara Técnica de Arquitetura daquele Conselho teria se pronunciado sobre o polêmico empreendimento. Será que é o suficiente para um projeto que prevê o corte de quase 300 árvores e o dobro de acesso de carros em estacionamento subterrâneo em área tão frágil à beira da Baía da Guanabara?
  • Dossiê para a Unesco declara o Parque do Flamengo como Unidade de Conservação! 7 | Janeiro | 2015
    Dossiê para a Unesco declara o Parque do Flamengo como Unidade de Conservação!
    0

    Vejam o que diz a página 98 do dossiê enviado à Unesco para a candidatura do Rio como Paisagem Cultural Mundial "A área de amortecimento do Sítio inclui o Parque Estadual da Chacrinha, unidade de conservação estadual. O MAPA P05 indica as unidades de conservação municipais que correspondem integral ou parcialmente aos elementos do Sítio: Parque do Flamengo Brigadeiro Eduardo Gomes
  • FAM-RIO: Mobilidade Urbana em Jacarepaguá 8 | Dezembro | 2014
    FAM-RIO: Mobilidade Urbana em Jacarepaguá
    0

    No último dia 6 de dezembro, durante reunião do Conselho de Representes da Federação das Associações de Moradores do Município do Rio de Janeiro (FAM-RIO), em Jacarepaguá, destacou-se a discussão sobre a questão da mobilidade urbana no bairro, um dos maiores e mais importantes da Cidade.
  • Negócio das empreiteiras no Porto Maravilha já aparece na mídia do Lava Jato 7 | Dezembro | 2014
    Negócio das empreiteiras no Porto Maravilha já aparece na mídia do Lava Jato
    0

    Noticiado na Folha de SP, neste domingo, as articulações entre os Governos Federal, Estadual e do Município do Rio e as empreiteiras do Consórcio do Porto (Odebrecht, OAS, e Carioca Eng.) nas obras do Porto Maravilha.
  • Transcarioca aos olhos do carioca Hugo 19 | Novembro | 2014
    Transcarioca aos olhos do carioca Hugo
    3

    Conheçam a interessante avaliação urbanística de um carioca, descrevendo o que não está concluído neste corredor de transporte que atravessa o Rio. Muita coisa ainda precisa ser feito, como o plantio de árvores para substituir as que foram arrancadas, calçadas decentes e passagens para pedestres. Por email, o atento cidadão sugere blogs com muitas fotos sugestivas.