Receba meu informativo

Privatizar parques públicos? 7 dicas do Central Park de Nova York

0

cpc1

Crédito: Courtesy Central Park Conservancy

No momento em que o prefeito Dória relança a velha ideia de “privatizar” os parques públicos de São Paulo, é interessante buscarmos, na terra do Tio Sam, aquele que é um exemplo de gestão privada de parques públicos: o Central Park de Nova York. Ao que parece lá, no coração do capitalismo, da privatização e do individualismo, a gestão privada dos parques públicos não é nem empresarial, nem feita de improviso; é feita  com organização,  e sob o estrito comando permanente do poder público. 

Vejamos as 7 dicas básicas de gestão:

1. Quem é a gestora em nome da Prefeitura? O Central Park de Nova York não é gerido por nenhuma empresa comercial, mas por uma entidade civil, sem fins lucrativos, a “Central Park Conservancy (*1). Portanto, a gestão privada do parque não objetiva a exploração comercial do mesmo, seja para seu financiamento, seja para seu custeio. A gestora colabora com a Prefeitura deste 1980, tendo seu contrato de gestão, originalmente assinado em 1998, sido renovado em 2006, e novamente renovado em 2013, afirmando a confiança da Prefeitura em sua parceria de mais de 35 anos em gestão conjunta.

2. Princípio da gestão. A responsabilidade da “Central Park Conservancy” é cuidar do espaço público mais importante de Nova York; seu trabalho de gestão, segundo seu site, é baseado na crença de que a liderança cidadã e a filantropia privada são os aspectos fundamentais para garantir que o parque, e o seu objetivo essencial persistam, qual seja : proporcionar um retiro cênico da vida urbana para o gozo de todos os nova-iorquinos, a partir da conservação e do reconhecimento do Central Park como uma obra-prima da arquitetura paisagística.

3. Orçamento, e uma verdadeira parceria público-privada. Para 2016, o parque contou com orçamento de US $ 67 milhões (cerca de R$ 210 milhões), sendo que 75% deste valor seria de ser obtido de doações privadas e parcerias, e o restante advindos recursos da Prefeitura. Neste sentido, o parque é mantido por uma efetiva parceria público-privada, já que parte substancial do seus recursos de manutenção vêm de fontes privadas, sem contrapartidas econômicas (não sabemos se os doadores podem, ou não, descontar suas doações do Imposto de Renda, como acontece no Brasil, com as “filantropias” da lei Rouanet). Qualquer um pode entrar no site da gestora e fazer doação ao parque: pode adotar um banco, um gramado, um canteiro de flores, um projeto educacional, a partir de U$ 50,00 (cinquenta dólares).

Sem título

Fotomontagem. Central Park Conservancy

4. Tarefas da gestora “Central Park Conservancy”. O contrato prevê os cuidados fundamentais para com Central Park, (bem como alguns trabalhos de manutenção em outros parques de Nova York, a partir de sua longa experiência no Central Park). Especificamente, a Conservancy é responsável pela manutenção da paisagem e do gramado, pelos cuidados com as árvores, pelo trabalho hortícola, pela limpeza e reparação de parques infantis e estações de conforto, pela reparação de bancos, remoção de grafite, limpeza de passagens e manutenção e reparação de monumentos e estruturas do parque. Além disso, o acordo de 2013 definiu o papel da Conservancy no apoio e treinamento de funcionários da Cidade que trabalham em outros parques, e em outros cinco municípios, proliferando suas melhores práticas relacionadas aos cuidados de horticultura, e gestão de operações.

5. Papel da Prefeitura de Nova York. A Prefeitura mantém o controle geral e a responsabilidade política no Central Park. O Comissário “público” do parque, e funcionários da Prefeitura estão envolvidos em todos os aspectos do planejamento do parque, e devem aprovar todas as melhorias que a organização pretende empreender. As operações de regulamentação administrativa, aplicação da lei e eventuais concessões no Central Park estão sob o domínio exclusivo da Prefeitura.

6. Governança do Central Park Conservancy. O Conselho de administração é composto por uma seleção diversificada e transversal de cidadãos, aí inseridos funcionários da Prefeitura nomeados pelo Prefeito, e indivíduos que representam a comunidade que usa o parque. Existem 43 curadores gerais: 5 curadores nomeados pelo Prefeito; 4 comissários; o presidente do distrito de Manhattan; o administrador do parque e a presidente do Comitê das Mulheres; 9 conselheiros; 4 membros fundadores. Confiram abaixo (leia mais), os nomes, a formação, e o currículo dos administradores, e dos membros do Conselho Curador e Conselheiros do Parque.(*2)

3015-Central_Park-Sheep_Meadow-e1468449714426

(Ingfbruno / Wikimedia Commons)

7. Transparência total e informações do Parque e de sua gestão. A gestora Conservancy mantém um site detalhadíssimo do Central Park, que apresenta as possibilidades dos diversos níveis de doações, do acesso especial a programas, passeios e descontos. Apresenta todos os detalhes da gestão financeira, com todos os documentos comprobatórios da despesa. Ainda apresenta os grupos especiais e Comitês participativos da gestão, tais como o Comitê de Mulheres, de parceiros, e de profissionais jovens, e muito mais.

Está tudo lá para qualquer um ver, conferir e desfrutar de todas as informações e, se e quando puder, deste incrível e conservado espaço público de lazer, e de toda sua programação.

É tudo exemplar. Basta copiar. Mas, copiar direitinho…

(i) A entidade sem fins lucrativos chama-se “Central Park Conservancy” – http://www.centralparknyc.org, organização civil privada sem fins lucrativos, que administra o parque em função de um contrato com a prefeitura de Nova York. A organização foi formada em 1980 por um grupo de cidadãos interessados em melhorar o Central Park, em função do seu declínio nas décadas de 1960 e 1970.

(ii) Conselho de Administração:

 Douglas Blonsky: Presidente; Administrador do Central Park: Graduado da Universidade de Delaware e da Faculdade Cook da Universidade Rutgers, é bacharel em Ciências de Plantas e Arquitetura de Paisagens, e é arquiteto de paisagem no Estado de Nova York. Reportando-se ao Conselho de Curadores, dirige o planejamento estratégico global, operações do parque, programação de capital, programação pública, desenvolvimento e estratégias de marketing e comunicação para a organização. Ele trabalha com o Conselho de Curadores em todas as questões de governança, desenvolvimento de diretoria e no planejamento financeiro e estratégia do orçamento para garantir uma organização forte e estável. Ele é responsável por promover relacionamentos com doadores em todos os níveis, usuários do parque,altos funcionários do Departamento de Parques de Nova York e outros funcionários públicos. Como Administrador do Parque, é diretamente responsável por todas as operações diárias e assuntos estratégicos referentes a todos os aspectos damanutenção, operações e gerenciamento do parque.

Laura Hall: Vice-Presidente para o Desenvolvimento, Comitê de Mulheres e Eventos Especiais: Se formou na Universidade de North Carolina-Chapel Hill. Responsável pela gestão, planejamento estratégico, financeiro, marketing e crescimento futuro do Comitê de Mulheres e do Departamento de Eventos Especiais. Lidera, apoia e orienta 55 membros do Comitê de Mulheres e mais de 200 voluntários. Promove e incentiva o apoio financeiro desses indivíduos e promove a missão e as prioridades da Conservancy.

Jane McIntosh: Vice-Presidente para o Desenvolvimento e Assuntos Externos: Se juntou à equipe da Conservancy em 2013, após um mandato de oito anos no Lincoln Center for the Performing Arts, onde foi Diretora Sênior, Serviços de Doação Individuale Sócios. Foi também Diretora de Desenvolvimento no Museu da Imagem em Movimento e da Academia Nacional de Design e ocupou vários cargos de desenvolvimento no American Folk Art Museum. Formada em Inglês pela Universidade de Binghamton e um mestrado do Programa em Administração de Artes no Teachers College, Columbia University, onde ela ensinou por nove anos. Jane é atualmente professora adjunta no Marymount Manhattan College onde ensina Fundraising e Marketing para as Artes.

Christopher Nolan: Diretor de operações: Licenciado em Arquitetura de Paisagens pela Universidade de Cornell. Ele é um arquiteto de paisagem registrado no Estado deNova York e um membro da Sociedade Americana de Arquitetos Paisagistas. A suaresponsabilidade primária é a liderança do esforço de planejamento físico daorganização e execução do programa de restauração / renovação. Suasresponsabilidades incluem fornecer liderança e direção para: planejamento físico,desenvolvimento de projetos, aprovações públicas e regulatórias, projeto e construçãode projetos e gerenciamento e administração de projetos. Ele é responsável peloestabelecimento e manutenção de controles departamentais e de projetos e é oprincipal diretor de contratos para grandes contratos de construção. Colabora com o Presidente e Vice-Presidente para desenvolver os objetivos operacionais da organização e, como funcionário corporativo, trabalha diretamente com o Conselho deCuradores em comitês incluindo o de Operações e Construção, PlanejamentoEstratégico e outros comitês, conforme exigido.

Kathryn Ortiz: Controladora

Stephen Spinelli: Diretor financeiro: bacharel em Administração pela HofstraUniversity. Reportando-se e em parceria com o Presidente e Conselho, define política edireção financeira da Conservação enquanto também atua como um participante ativoda estratégia geral da organização. Ele lidera todas as funções de administração financeira, planejamento de negócios, recursos humanos, tecnologia da informação econformidade. Ele é responsável por estabelecer e manter controles internos. Todas astransações são devidamente autorizadas e registadas e as demonstrações financeirasestão livres de distorções. Como membro da equipe de gerência sênior, trabalhadiretamente com o Comitê de Finanças, Investimento, Auditoria, Remuneração eDesenvolvimento Gerencial, Nomeação e Governança, Planejamento Estratégico eComitê Executivo do Conselho de Curadores.

Conselho de Curadores/Julho de 2016:

Presidente: Thomas L. Kempner, Jr.

Administrador Executivo: Davidson Kempner

Vice-presidente: Jane Bayard

Tesoureiro: Michael Grobstein (Vice-presidente aposentado : Ernst & Young)

Secretário e Conselheiro Geral: Kenneth H. Heitner, Esq.Parceiro: WeilGotshal&MangesLLP

Douglas Blonsky(Presidente: Central Park Conservancy E Central Park Administrador)

Suzie Aijala: Presidente do Comitêde Mulheres Central ParkConservancy

Judy Hart Angelo : Compositor

Elizabeth H. Atwood

Jeff T. Blau: CEO e Empresas relacionadas

Hon. Gale A. Brewer: Presidente da cidade de Manhattan

Judith M. Carson

Richard Cashin : Presidente OEP Capital Advisors LP

Suzanne Cochran

Kelly C. Coffey : CEO, US Private Bank JP Morgan

Martin Cohen : Presidente executivo Cohen &Steers

Norma T. Dana

Bennett Goodman : MembroFundador Sénior GSO Capital Partners

Nicholas A. Gravante, Jr. ParceiroAdministrativo Boies, Schiller &Flexner LLP

Anne S. Harrison

Jane Heller : Diretor Geral Banco da América

Amie James

Jonathan Korngold: Diretor Geral Parceiros Atlânticos Gerais

Sheila C. Labrecque

Jill Lafer

Carol Sutton Lewis

Robert C. Lieber: DiretorExecutivo C-III Capital Partners

Jay P. Mandelbaum

Leni May

Eugene Mercy, Jr.: Diretor MadisonTwenty-Four Associates LLC

Gillian Miniter

Charles A. Myers: Vice presidente Evercore

Amelia Ogunlesi

John Paulson: Presidente Paulson & Co. Inc.

Deborah Roberts : ABC News Correspondent

Joe L. Roby : Presidente emérito Credit Suisse Securities EUA

Eric Rudin : Vice-Presidente e Presidente Rudin Management Co.

Jacqueline Sackler

Didi Schafer

Donna Schwartz

Norman C. Selby : Presidente Real Endpoints llc5

Alfred J. Shuman : Fundador e Membro Gerente As Parcerias Archstone

Hon. Mitchell J. Silver, FAICP :Comissário Departamento de Parques e Recreação de Nova York

AJC Smith

Elizabeth W. Smith : Fundação Sidney J. Weinberg Jr.

John Steinhardt : Sócio-gerente KLS Diversified Asset Management

Erana M. Stennett :Bloomberg

John Stossel :Âncora Fox BusinessNotícias

Stuart Subotnick :Presidente Metromedia Company

Patsy C. Tarr

Mary Wallach

Conselheiros:

Lewis W. Bernard: Presidente Classroom, Inc.

Jean Clark

Henry R. Kravis : Sócio fundador Kohlberg Kravis Roberts &Co.

Lynden B. Miller : Lynden B. Miller Design de Jardim Público

Ira M. Millstein, Esq. : Sócio Sênior Weil, Gotshal&Manges LLP

E. John Rosenwald, Jr. : Vice-presidente emérito JP Morgan

Janet Ross

Joan C. Schwartz

Elizabeth R. Varet : Presidente American Securities, LP

Fundadores:

William S. Beinecke :Antaeus Enterprises, Inc.

Gordon J. Davis: Parceiro Venable, LLP

Richard Gilder: Membro Administrador Gilder, Gagnon, Howe&Co. LLC

Elizabeth Barlow Rogers: Presidente Fundação para Estudos de Paisagem

Deixe um comentário



* campos obrigatórios.
  • Fundação Bio-Rio, na UFRJ: alvo de investigação do MP 13 | Abril | 2017
    Fundação Bio-Rio, na UFRJ: alvo de investigação do MP
    0

    Mais um caso de ilícito financeiro envolvendo uma fundação de pesquisa, no campus tecnológico do Fundão, da precarizada UFRJ. Este caso ocorre na vida universitária, no campus da maior e mais antiga universidade federal no Rio, ao lado da área que o Município do Rio, no governo Paes, cedeu cinco hectares de terras públicas, por 50 anos, de graça, à General Electric (GE), na Ilha de Bom Jesus, para que esta empresa ali construísse seu edifício de pesquisa tecnológica! Leia aqui. (mais…)

  • América F.C. – História diz que shopping não salva clube 5 | Abril | 2017
    América F.C. – História diz que shopping não salva clube
    0

    Neste artigo do Urbe Carioca, a arquiteta urbanista Andréa Redondo destaca que “do mesmo modo que não há garantia de que estádios resolverão os problemas financeiros dessas instituições, é de se indagar se liberar a construção de shoppings, à custa do solo e da paisagem urbanas, salva clubes de futebol. E se salvar clubes de futebol à custa do solo urbano é devido”. Confira aqui. (mais…)

  • A faculdade de Engenharia de Buenos Aires: conheça por fotos. 29 | Março | 2017
    A faculdade de Engenharia de Buenos Aires: conheça por fotos.
    0

    Não sei se os estudos são bons, mas o prédio impressiona. E isso já é bom. A Faculdade de Engenharia, fica na Av. Paseo Colón. Seu prédio é uma construção imponente. Sensibilizou-me que ele subsista como escola pública. É a tradição mantida.   Por fora, bem cuidado. Por dentro, com a dinâmica de uma faculdade: cartazes, reivindicações, bicicletas guardadas, fotos de esportes e também a memória dos desaparecidos.   Veja o pequeno album de fotos especial para este tema.  

  • “Anatomia de um crime” 23 | Março | 2017
    “Anatomia de um crime”
    0

    Nesta reportagem, na qual fui uma das entrevistadas, a Agência Pública percorre a história do Maracanã, patrimônio cultural destruído com autorização do Iphan e abandonado pelo poder público depois de mais de R$ 1,3 bilhão gasto em obras suspeitas de alimentar a corrupção. Confira aqui. (mais…)

  • Áreas da Marinha continuam em foco: novo museu e nova polêmica à vista 22 | Março | 2017
    Áreas da Marinha continuam em foco: novo museu e nova polêmica à vista
    0

    Neste artigo, a arquiteta urbanista Andrea Redondo destaca que a imagem de projeto para a construção de um “novo museu” na cidade do Rio de Janeiro, onde funciona o Espaço Cultural da Marinha, publicada na mídia, já causa polêmica nas redes sociais.  (mais…)

  • Ruptura da reforma da Previdência 22 | Março | 2017
    Ruptura da reforma da Previdência
    0

    Notícia sobre a retirada dos servidores estaduais e municipais do texto da reforma da Previdência faz sua ruptura definitiva entre categorias de brasileiros. O argumento de que a retirada dos servidores públicos estaduais e municipais da reforma preserva a autonomia federativa e reduz o risco de judicialização é juridicamente falso. (mais…)

San Telmo - Março de 2017

Galeria completa aqui