Receba meu informativo

Secretário de Saúde do Rio quer ser servidor estatutário!

0

Contudo, esta mesma pessoa, na Secretaria de Saúde do Município, é a condutora da política de contratações temporárias dos médicos para o serviço público do Município, através de cooperativas privadas – ONGs, pelo regime trabalhista.

Pelas notícias, o secretário de Saúde do Município fez, em 2010, já no exercício do pesado cargo público de secretário, o concurso da Fiocruz, (entidade autárquica da União), para ser pesquisador daquela entidade, em regime de 40 horas, para ganhar R$4 mil fixos. Mas, como estava secretário, sabia que, sendo chamado, teria que optar por um cargo ou outro.

Quem faz um concurso público deve querer exercer o cargo para o qual de dispôs. E, a entidade que abriu vaga, no caso a Fiocruz, ao abrir a vaga, deve exigir que, efetivamente, os concursados exerçam as funções; pois, caso em contrário, por que abriria concurso e admitiria pessoal?

O secretário de Saúde do Rio fez o concurso, mas, ao que parece, no momento, somente quer a vaga estável, fixa, estatutária como reserva de seu futuro pessoal.

E, pelo que se observa, a instituição de pesquisa Fiocruz, que pleiteou a vaga pública, parece concordar em abrir mão de seu futuro pesquisador e ficar esperando, talvez, por mais quatro anos – sem qualquer pesquisa a ser feita por ele -, para satisfazer o projeto político-pessoal do concursado.

Isso porque a vaga dele não poderá, neste período, ser preenchida por outro candidato aprovado. O secretário vai “prender” a vaga de pesquisador para si, em prejuízo das supostas necessidades de pesquisa da Fiocruz .

Não é o exemplo a ser seguido. Imagine qual a moral que tem este secretário, na Secretaria que comanda, de exigir dos funcionários municipais estáveis o cumprimento efetivo de suas funções, se ele mesmo, o funcionário estatutário federal, tomou posse em cargo público e sequer estreou em exercê-lo, nem mesmo no período probatório constitucional? (confira abaixo)

O prefeito Paes, tão confiante que seu secretário, por seu pedido político, será dispensado pela instituição federal de pesquisa – a Fiocruz – de seu dever moral, e eventualmente jurídico de, após a posse, entrar em exercício efetivo do cargo para ali fazer, no mínimo, o estágio probatório constitucional, que até já fez sua nomeação futura para, a partir de 18 de março, ele voltar a ser secretário de Saúde do Rio.

Isto é que é desmoralizar o serviço público! Autoridade funcional, sem autoridade moral?

DECRETO “P” N.º 262 DE 18 DE FEVEREIRO DE 2013
O PREFEITO DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO, no uso das atribui-
ções que lhe são conferidas pela legislação em vigor,
RESOLVE
Nomear HANS FERNANDO ROCHA DOHMANN, matrícula 60/253.541-7,
com validade a partir de 18 de março de 2013, para exercer o Cargo em
Comissão de Secretário Municipal, símbolo S/E, código 009309, da Secretaria Municipal de Saúde e Defesa Civil.

Deixe um comentário



* campos obrigatórios.

Paisagem Cultural do Rio ameaçada pela obstrução de prédios

Galeria completa aqui

  • E por falar em imóveis abandonados, não só os históricos … 20 | Julho | 2017
    E por falar em imóveis abandonados, não só os históricos …
    0

    Imóveis abandonados não são  só uma questão dos bens históricos preservados. É uma questão urbanística, como mencionamos em nosso blog desta semana!  Vale para bens públicos e privados, como ressalta este editorial da Folha SP.   Neste artigo destaco a seguinte frase: “Paris, antes de privatizar 23 grandes áreas, promoveu concurso internacional para selecionar as melhores propostas. Evitou, assim, a proliferação de condomínios ou shopping centers que nada acrescentariam à cidade.”  Por que não imitar? (mais…)

  • “Uso de redes sociais na política esmaga o futuro” 12 | Junho | 2017
    “Uso de redes sociais na política esmaga o futuro”
    0

    Nesta entrevista à Folha de São Paulo, um dos especialistas franceses mais renomados em ciências da comunicação defende uma concepção da comunicação que privilegia o homem e a democracia, ao invés da técnica e da economia. “Eu sou da opinião de que há mais inconvenientes do que vantagens das redes sociais na política. É uma perversão total achar que a ausência de atores intermediários melhora a política. Não há política sem atores intermediários”, destaca. Confira aqui. (mais…)

  • Serra de São Domingos é tombada como patrimônio estadual 5 | Junho | 2017
    Serra de São Domingos é tombada como patrimônio estadual
    0

    A Serra de São Domingos, de Poços de Caldas, foi tombada como patrimônio estadual. O tombamento foi realizado pelo Conselho Estadual do Patrimônio Cultural de Minas Gerais. “Conservar a Serra de São Domingos é, como afirma Sônia Rabello Castro, ‘proteger do dano, da mutilação e da descaracterização’ ”, explica Françoise Jean , diretora de Proteção e Memória do Iepha-MG. Confira mais aqui.

  • Legado Olímpico do Rio torna-se herança a lamentar 29 | Maio | 2017
    Legado Olímpico do Rio torna-se herança a lamentar
    0

    Neste artigo, publicado no Urbe CaRioca, o destaque do National Post, com um relato detalhado onde Scott Stinson faz várias indagações, desde sobre o paradeiro das sementes levadas por atletas durante a abertura dos Jogos Olímpicos – que seriam destinadas à formação de um parque no pólo de Deodoro – até o prometido tratamento de esgotos que nunca chegou. Confira aqui.

  • América F.C. – História diz que shopping não salva clube 5 | Abril | 2017
    América F.C. – História diz que shopping não salva clube
    0

    Neste artigo do Urbe Carioca, a arquiteta urbanista Andréa Redondo destaca que “do mesmo modo que não há garantia de que estádios resolverão os problemas financeiros dessas instituições, é de se indagar se liberar a construção de shoppings, à custa do solo e da paisagem urbanas, salva clubes de futebol. (mais…)

    Cadastre-se

    Receba notificações de novas publicações

                   

    Paisagem Cultural do Rio ameaçada pela obstrução de prédios

    Galeria completa aqui

    Cadastre-se

    Receba notificações de novas publicações

     

    Cais do Valongo: patrimônio mundial. E agora?

    Crédito: Sonia Rabello