Receba meu informativo

Cais da Imperatriz: precioso legado cultural aflora no Porto do Rio

0

 
Belo presente no dia do aniversário da Cidade de São Sebastião do Rio de Janeiro!

As obras na Zona Portuária do Rio já deixam para a população fluminense um legado cultural único encontrado na Avenida Barão de Tefé, onde começou a construção de uma super galeria de drenagem. No local “surgiu” de dentro da terra testemunhos surpreendentes da história da Cidade, da história do Brasil: o chamado “Cais da Imperatriz”.

 
As obras que estão sendo executadas foram previstas como parte do plano do novo Porto, e com o objetivo de tentar erradicar os constantes alagamentos na via, pois toda a área foi formada a custa de um enorme aterro da Baía da Guanabara, prática usual até bem poucos anos atrás. O precioso achado histórico arqueológico mostra bem o quanto foi enterrado neste processo de “fazer terras”.
Mas parece que, a exemplo de Roma e Lima, a arqueologia histórica da Cidade mostra sua força. Nossa história ressurge das entranhas da terra. Nossa identidade se abre à luz do sol.
O “Cais da Imperatriz” tem este nome porque, em 1843, o local foi escolhido para o desembarque da então futura imperatriz Teresa Cristina no Rio de Janeiro. Essa decisão implicou no alargamento e na compra de algumas propriedades, no embelezamento e no melhoramento da região, projeto do famoso paisagista Grandjean de Montigny.
Este era um cais de triste história, chamado de Cais do Valongo, pois  ali foi a porta de entrada do tráfico de escravos. Neste mercado, segundo a norte-americana Mary C. Karasch (“A vida dos escravos no Rio de Janeiro – 1808-1850), teriam passado mais de um milhão de africanos no primeiro metade do século XIX. Triste lembrança, mas real!
Agora, em pleno processo de revitalização, passado e presente parecem confrontar-se. Ao mesmo tempo em que as obras trazem consigo um ar de renovação e mudanças, as imensas escavadeiras revelam a cidade oculta, que parecia adormecida sob o concreto que ali estava.
Há dois meses, arqueólogos do Museu Nacional acompanham as obras e trabalham no processo de identificação, buscando evidenciar o Cais do Valongo nesta área. Porém, ao pedirmos maiores detalhes sobre o assunto, indicaram o setor de Comunicação Social do Gabinete do Prefeito para maiores informações.
Qual o futuro da obra, já que a conservação do Cais se impõe? Existe aí um enorme problema, já que a obra iniciou-se, aparentemente, sem que tenha sido feito antes a prospecção arqueológica.

Numa cidade como o Rio, ela é inevitável. Aliás, a legislação federal, determina que no relatório de Impacto Ambiental se avalie o patrimônio cultural antes do início de qualquer obra. No caso, as obras da galeria “toparam” com o patrimônio cultural mais importante do que qualquer museu pretendido na região (e são dois: o do Calatrava, e o do Amanhã).

        A enorme galeria já encosta dos dois lados do cais (Fotos: Roberto Anderson)

 

                                 

Ainda bem que todos os órgãos culturais do País estarão alertas e de plantão para garantir a preservação deste importante legado cultural do país: o Ministério da Cultura/IPHAN, o INEPAC, a Prefeitura – pela subsecretaria do Patrimônio Cultural. Este é o dever. E a história do Brasil agradece. Nós acompanharemos.
 
Confira mais registros dos trabalhos no vídeo abaixo:
 
 
Deixe um comentário



* campos obrigatórios.
  • STF: (…) “E discutem com grande cultura e estupidez”… 6 | Novembro | 2017
    STF: (…) “E discutem com grande cultura e estupidez”…
    0

    Citando o jurista uruguaio Eduardo Couture, o ministro Luiz Fux, em entrevista à Folha de S.Paulo (confira aqui), referiu-se assim às discussões televisivas entre os ministros: …”um homem [ministro] se enamora de uma ideia, o outro se enamora de outra ideia. E discutem com grande cultura e estupidez…”.  Cultura é o que os ministros (a maioria deles) querem sempre demonstrar que têm, embora, ali, com cargo vitalício, não seja mais necessário. São inafastáveis, mesmo que lhes falte o bom senso de submeter os colegas e o país a gastar o tempo preciosíssimo do julgamento em Plenário, ouvindo os longuíssimos e desnecessários votos de acompanhamento ao relator E, por isso, este comportamento, assim como as rixas em plenário e fora dele, revelam a estupidez desse comportamento judicante. Vale a pena ler a entrevista, na qual vários assuntos atuais são mencionados: rumos e ameaça à Lava-Jato, mudança de voto dos ministros, revisão da prisão após 2ª instância de julgamento, e outros. Caso não consega acesso ao texto no link do jornal, confira também aqui.  

  • “Os 90 dias que abalaram o mundo olímpico: Eike Batista e a caixa-preta que falta ser aberta” 20 | Outubro | 2017
    “Os 90 dias que abalaram o mundo olímpico: Eike Batista e a caixa-preta que falta ser aberta”
    0

    história olímpica nunca mais poderá ser contada sem um grande capítulo destinado ao Rio-2016. Não pela bela festa de abertura, mas pela porta dos fundos, coberta de uma mancha de corrupção. (mais…)

  • STF é um Colegiado? 11 | Outubro | 2017
    STF é um Colegiado?
    0

    Se o Supremo Tribunal Federal é um Colegiado, um tem que ouvir o outro até o final. Como então em importante julgamento, nesta terça-feira, dia 11 de outubro, houve ministros que se retiraram do plenário antes do final do julgamento? (mais…)

Cadastre-se

Receba notificações de novas publicações

 

Praça do Teatro do Centro Histórico de Manaus

Crédito: Sonia Rabello
               

Cadastre-se

Receba notificações de novas publicações

Paisagem Cultural do Rio ameaçada pela obstrução de prédios

Galeria completa aqui

 

Setembro/2017 - Praça em frente ao Teatro do Centro Histórico de Manaus

Crédito: Sonia Rabello