Receba meu informativo

O céu do Porto do Rio vendido? Mas ainda tem salvação!

0

Na reportagem publicada pela agência de reportagem e jornalismo investigativo Pública, por Rogério Daflon, podemos ter uma ideia sobre o futuro deletério para a Paisagem da Cidade do Rio de Janeiro que pode ser aguardado caso o programa de edificações para a área portuária do Rio seja implementado.

A reportagem é atualíssima, e nela vemos que, atualmente, quase a totalidade dos arquitetos se manifestam estupefatos e contrários ao muro de construções em altura e extensão cujos índices previstos para o local podem causar a toda àquela região e à paisagem da Cidade.

Trump Towers Rio

É verdade que a “muralha” de edifícios que poderá vir a ser edificada no Porto do Rio resultará, daqui a uns vinte anos, em um dos maiores danos à paisagem carioca, contrariando frontalmente o artigo do Plano Diretor da Cidade que, em seu artigo 2º páragrafo 4º diz:

“A paisagem da Cidade do Rio de Janeiro representa o mais valioso bem da Cidade, responsável por sua consagração como ícone mundial e por sua inserção na economia turística do país, gerando emprego e renda”

Mas, como é de costume, quem se importa hoje com o que acontecerá amanhã?

Não foi assim com a euforia da Olimpíada e da Copa? Com o “entusiasmo” dos super contratos da Petrobras que geraram, à época, rios de dinheiro para o Estado do Rio de Janeiro, na gestão Cabral, e que desembocaram na Lava-Jato?

Infelizmente, à época da aprovação da Lei Complementar (LC 101/2009 – lei do Porto “Maravilha”), que permitiu a sua operação consorciada, não houve nenhuma manifestação em contrário, clara, unânime, incisiva e conclusiva nem da Academia, nem das agremiações profissionais. E, com as galerias da Câmara vazias, os vereadores não tiveram qualquer constrangimento em aprovar a malsinada lei.

Parece fazer todo sentido as afirmações contidas na referida reportagem de Daflon, de que os gabaritos dos futuros paredões da região do Porto foram determinados pelo dinheiro que seria necessário às obras de túneis, da derrubada da Perimetral e de algumas outras obras de saneamento e urbanização. Afinal, o contrato da Prefeitura com o Consórcio Porto Novo (leia-se Odebrecht, Carioca Engenharia e OAS), chamado de PPP do Porto, estimava necessários cerca de R$ 4 bilhões para a realização das obras*, no espaço de gestão do então prefeito Paes.

E isso era o mais importante; as obras contratadas e o seu pagamento rápido! E para obter tão vultosa quantia seria necessário sacar do Fundo dos trabalhadores (FGTS), com a compactuação dos gestores da época, alguns atualmente presos. E, é claro, vender o “céu do Porto” e nele a nossa paisagem cultural.

A lei que aprovou a Operação Urbana Consorciada do Porto (mal-dito “Maravilha”) é apenas uma lei de aumento de gabaritos para vender o céu e a paisagem do Rio, através das CEPACs (Certificados de Potencial Adicional Construtivos). Estes foram todos comprados por um Fundo semi-público gerido pela CAIXA. Mas, não foram recomprados, ainda, pelo mercado. Por isso, há chances de salvarmos a paisagem do Rio, “seu bem mais valioso”. Só precisamos de energia, boa vontade, projeto urbanístico, organização, determinação e, vontade social e política.

O caminho ainda está aberto!

* O valor total do contrato entre a CDURP (Prefeitura do Rio) e o Consórcio Porto Novo é de R$ 8 bilhões, metade deste valor só para manutenção. O valor de R$ 8 bilhões é, aproximadamente, o valor total que o COI prometeu aportar para realização total da Olimpíada do Rio 2016!  

 

Deixe um comentário



* campos obrigatórios.
  • Bens históricos abandonados ou fechados no Rio 30 | Novembro | 2017
    Bens históricos abandonados ou fechados no Rio
    0

    Neste artigo do Urbe CaRioca, o arqueólogo e defensor do patrimônio cultural Cláudio Prado de Mello apresenta um elaborado trabalho com os principais bens históricos abandonados ou fechados no Rio de Janeiro. Confira aqui.

  • #BrasilComLei: Toffoli tem prazo normativo para dar uma “vista” no processo e devolvê-lo 24 | Novembro | 2017
    #BrasilComLei: Toffoli tem prazo normativo para dar uma “vista” no processo e devolvê-lo
    0

    Os ministros, como os antigos reis, estariam imunes aos mandamentos da lei? Não é verdade a afirmação de que não há prazo para que o ministro Toffoli devolva a julgamento o processo sobre privilégio de foro e que pediu vista. Se não cumpre o prazo, o ministro está descumprindo a norma. Cabe ao Tribunal a que pertence fazê-lo respeitar a normativa. Ainda que não haja uma sanção direta, há, por analogia formas de fazê-lo. Os cidadãos esperam que o cumprimento da norma, e o bom exemplo venha, sobretudo, do Supremo, juízes que mandam aplicar a lei a todos os demais cidadãos.  Vejam as normas que dispõem sobre os prazos de vista:  (mais…)

  • STF: (…) “E discutem com grande cultura e estupidez”… 6 | Novembro | 2017
    STF: (…) “E discutem com grande cultura e estupidez”…
    0

    Citando o jurista uruguaio Eduardo Couture, o ministro Luiz Fux, em entrevista à Folha de S.Paulo (confira aqui), referiu-se assim às discussões televisivas entre os ministros: …”um homem [ministro] se enamora de uma ideia, o outro se enamora de outra ideia. E discutem com grande cultura e estupidez…”.  (mais…)

  • “Os 90 dias que abalaram o mundo olímpico: Eike Batista e a caixa-preta que falta ser aberta” 20 | Outubro | 2017
    “Os 90 dias que abalaram o mundo olímpico: Eike Batista e a caixa-preta que falta ser aberta”
    0

    história olímpica nunca mais poderá ser contada sem um grande capítulo destinado ao Rio-2016. Não pela bela festa de abertura, mas pela porta dos fundos, coberta de uma mancha de corrupção. (mais…)

Cadastre-se

Receba notificações de novas publicações

 

Bens históricos abandonados ou fechados no Rio

Crédito: Claudio Prado de Mello
               

Cadastre-se

Receba notificações de novas publicações

Paisagem Cultural do Rio ameaçada pela obstrução de prédios

Galeria completa aqui

 

Setembro/2017 - Praça em frente ao Teatro do Centro Histórico de Manaus

Crédito: Sonia Rabello