Receba meu informativo

Comentários às fotos de San Telmo, Buenos Aires

0

O bairro San Telmo, em Buenos Aires, fica entre a larguíssima Av. 9 de Julho, e o Av. Paseo Colón e os armazéns do Porto Madero.  Esta área da cidade é viva, dinâmica e os turistas adoram, bem como os habitantes da cidade, que lá vão para comer, se divertir e morar.

Buenos Aires é uma grande cidade que preserva os seus bairros típicos, como Boca, Palermo e San Telmo; e o próprio centro, onde os casarões são conservados, com suas famosas e gostosas confeitarias e restaurantes. Ficava me perguntando como a área central de Buenos Aires não foi tomada por prédios altos, como foi a nossa Avenida Rio Branco, no Rio, ex-Avenida Central, que guardava incrível semelhança com os bulevares franceses, mas que foi totalmente destruída. A resposta de um amigo arquiteto portenho foi a de que a legislação urbanística da cidade foi quem fez, indiretamente, o papel de preservar as características urbanísticas da região.

O que me chamou a atenção em San Telmo, especialmente, foi (acompanhe pelo álbum de fotos):

1.  Calçadas :há calçadas, e nelas se pode caminhar sem tropeçar em postes, bancas de jornais, lixeiras, artefatos de plantas e vasos, ou em declives acidentados de entradas de garagens (fotos 9, 10, 30, 37, 44).  As calçadas são estreitas, por vezes, mas mais ou menos bem conservadas, salvo raras exceções (foto 64).  Também as entradas de garagens tem declividade que não impedem a razoável caminhada dos pedestres (foto 61).  Registre-se, finalmente, que embora se possa estacionar em um lado das ruas, em geral os carros estacionam em alguns terrenos transformados em estacionamentos (62)

2. Fios aéreos: não há a sujeira de montes de fios aéreos  e postes nas calçadas.  Há somente um ou dois fios que atravessam a parte central das ruas, e as iluminam no centro (foto 5).  Isso “higieniza” a paisagem urbana.  A poluição visual dos fios aéreos urbanos é dramática para nossos olhos. Com eles, tudo fica sujo e feio.  Sem eles, muito mais bonito!

3. Arborização: não há muita arborização nas ruas estreitas, para não se tirar espaço das calçadas.  Impressionou-me a forma eficaz com que “aprisionaram”, junto à casa, o caule de lindos bouganvilles, para que estes não avancem sobre a calçada, e sobre os pedestres (fotos 30, 31 e 42).  Porém, onde há espaço, plantas e árvores são muito bem vindas. (fotos 9, 13, 46, 47, 65)

4. Pisos das ruas: não há uniformidade no piso das calçadas, mas, de modo geral, são regulares.  No piso da rua de rolamento de carros, o paralelepípedo, e até nos ex-trilhos de bondes foram conservados como na origem, o que diminui, naturalmente, a velocidade dos carros no bairro (fotos 5,10, 11, 16, 42).  Bem interessante.  Não arrancaram nada; para quê?

5. Usos: embora seja também uma área turística, o uso local foi conservado, com seu mercado central (foto 21, 22, 23, 25, 26), lojas diversas (ft. 24), instituições públicas (40, 41), residências de todo tipo (ft 27, 58), e muitos restaurantes. O bairro vive.  E, bem próximo, a tradicional Faculdade Nacional de Engenharia, no seu imponente prédio, na Av. Paseo Colon.

Faculdade de Eng. Buenos Aires (1)Faculdade de Eng. Buenos Aires (2)

Tudo mais ou menos bem conservado, sem sofisticação, sem muito dinheiro em mega obras de restauração. O que significa dizer que o seu futuro, quanto à sobrevivência desta preservação é promissor.

Deixe um comentário



* campos obrigatórios.
  • Fundação Bio-Rio, na UFRJ: alvo de investigação do MP 13 | Abril | 2017
    Fundação Bio-Rio, na UFRJ: alvo de investigação do MP
    0

    Mais um caso de ilícito financeiro envolvendo uma fundação de pesquisa, no campus tecnológico do Fundão, da precarizada UFRJ. Este caso ocorre na vida universitária, no campus da maior e mais antiga universidade federal no Rio, ao lado da área que o Município do Rio, no governo Paes, cedeu cinco hectares de terras públicas, por 50 anos, de graça, à General Electric (GE), na Ilha de Bom Jesus, para que esta empresa ali construísse seu edifício de pesquisa tecnológica! Leia aqui. (mais…)

  • América F.C. – História diz que shopping não salva clube 5 | Abril | 2017
    América F.C. – História diz que shopping não salva clube
    0

    Neste artigo do Urbe Carioca, a arquiteta urbanista Andréa Redondo destaca que “do mesmo modo que não há garantia de que estádios resolverão os problemas financeiros dessas instituições, é de se indagar se liberar a construção de shoppings, à custa do solo e da paisagem urbanas, salva clubes de futebol. E se salvar clubes de futebol à custa do solo urbano é devido”. Confira aqui. (mais…)

  • A faculdade de Engenharia de Buenos Aires: conheça por fotos. 29 | Março | 2017
    A faculdade de Engenharia de Buenos Aires: conheça por fotos.
    0

    Não sei se os estudos são bons, mas o prédio impressiona. E isso já é bom. A Faculdade de Engenharia, fica na Av. Paseo Colón. Seu prédio é uma construção imponente. Sensibilizou-me que ele subsista como escola pública. É a tradição mantida.   Por fora, bem cuidado. Por dentro, com a dinâmica de uma faculdade: cartazes, reivindicações, bicicletas guardadas, fotos de esportes e também a memória dos desaparecidos.   Veja o pequeno album de fotos especial para este tema.  

  • “Anatomia de um crime” 23 | Março | 2017
    “Anatomia de um crime”
    0

    Nesta reportagem, na qual fui uma das entrevistadas, a Agência Pública percorre a história do Maracanã, patrimônio cultural destruído com autorização do Iphan e abandonado pelo poder público depois de mais de R$ 1,3 bilhão gasto em obras suspeitas de alimentar a corrupção. Confira aqui. (mais…)

  • Áreas da Marinha continuam em foco: novo museu e nova polêmica à vista 22 | Março | 2017
    Áreas da Marinha continuam em foco: novo museu e nova polêmica à vista
    0

    Neste artigo, a arquiteta urbanista Andrea Redondo destaca que a imagem de projeto para a construção de um “novo museu” na cidade do Rio de Janeiro, onde funciona o Espaço Cultural da Marinha, publicada na mídia, já causa polêmica nas redes sociais.  (mais…)

  • Ruptura da reforma da Previdência 22 | Março | 2017
    Ruptura da reforma da Previdência
    0

    Notícia sobre a retirada dos servidores estaduais e municipais do texto da reforma da Previdência faz sua ruptura definitiva entre categorias de brasileiros. O argumento de que a retirada dos servidores públicos estaduais e municipais da reforma preserva a autonomia federativa e reduz o risco de judicialização é juridicamente falso. (mais…)

San Telmo - Março de 2017

Galeria completa aqui