Receba meu informativo

Delação da JBS: rescisão ou anulação?

0

 

A notícia desta segunda-feira, dia 4 de setembro, sobre as novas descobertas de eventuais fatos graves, omitidos na delação de Joesley Batista e outros, provocaram reportagens nas quais se usavam, sem qualquer diferenciação, as palavras “rescisão” e “anulação” da delação, como se os termos significassem a mesma coisa.

Ledo engano. Os termos rescisão e anulação têm sentido jurídico completamente diferentes e, por isso, suas consequências são diversas.

Ressalto que o Procurador Geral Rodrigo Janot, em sua fala usou a palavra rescisão, e não anulaçãoo. E está correto.  Vejamos o motivo.

Se fatos novos aparecem, e estes trazem modificações da situação fática na qual foi feito o ajuste entre as partes, estas novas informações podem suscitar um desfazimento do ajuste feito, em função destes fatos novos. Neste caso, a modificação, ou até o desfazimento do ajuste é chamado de rescisão; e a rescisão produz efeitos para o futuro, e não para o passado (chamado efeitos ex nunc).

Chama-se anulação quando se verifica que o ajuste feito foi baseado em erro jurídico na situação passada, (e não em fatos novos supervenientes). Ou seja, quando se verifica que os fatos e a análise jurídica da exata situação na qual se baseou o ajuste, contém erro jurídico.  Neste caso, não se considera fatos novos supervenientes, mas os mesmos fatos que deram causa ao ajuste.  Nos casos de anulação, os efeitos são estendidos não só para o futuro, e também para o passado ( efeitos ex tunc)

Ora, pelas notícias veiculadas, trata-se de descoberta de fatos novos; novas situações que teriam sido omitidas no primeiro ajuste. Verificada esta hipótese, o raciocínio jurídico é de que as situações novas podem dar causa à rescisão, ou modificação do ajuste entre as partes, sem que isto macule, ou torne juridicamente inválido, o que já foi produzido.

Simples assim. Essas noções jurídicas básicas – como os conceitos de rescisão e anulação de atos e contratos jurídicos -, ajudam a qualquer cidadão a compreender melhor este fantástico mundo jurídico que nos rodeia, e que tanto condiciona as nossas vidas.

Deixe um comentário



* campos obrigatórios.
  • Porto Maravilha: os contrastes de uma obra bilionária 20 | Setembro | 2017
    Porto Maravilha: os contrastes de uma obra bilionária
    0

    Sem projeto urbanístico, a Operação do Porto apresenta as suas falências, após consumir mais de R$ 5 bilhões no pagamento ao Consórcio Porto Novo (leia-se Odebrecht, OAS e Carioca Engenharia), na chamada de “parceria ” público-privada. Confira aqui.

  • E por falar em imóveis abandonados, não só os históricos … 20 | Julho | 2017
    E por falar em imóveis abandonados, não só os históricos …
    0

    Imóveis abandonados não são  só uma questão dos bens históricos preservados. É uma questão urbanística, como mencionamos em nosso blog desta semana!  Vale para bens públicos e privados, como ressalta este editorial da Folha SP.   Neste artigo destaco a seguinte frase: “Paris, antes de privatizar 23 grandes áreas, promoveu concurso internacional para selecionar as melhores propostas. Evitou, assim, a proliferação de condomínios ou shopping centers que nada acrescentariam à cidade.”  Por que não imitar? (mais…)

  • “Uso de redes sociais na política esmaga o futuro” 12 | Junho | 2017
    “Uso de redes sociais na política esmaga o futuro”
    0

    Nesta entrevista à Folha de São Paulo, um dos especialistas franceses mais renomados em ciências da comunicação defende uma concepção da comunicação que privilegia o homem e a democracia, ao invés da técnica e da economia. “Eu sou da opinião de que há mais inconvenientes do que vantagens das redes sociais na política. É uma perversão total achar que a ausência de atores intermediários melhora a política. Não há política sem atores intermediários”, destaca. Confira aqui. (mais…)

  • Serra de São Domingos é tombada como patrimônio estadual 5 | Junho | 2017
    Serra de São Domingos é tombada como patrimônio estadual
    0

    A Serra de São Domingos, de Poços de Caldas, foi tombada como patrimônio estadual. O tombamento foi realizado pelo Conselho Estadual do Patrimônio Cultural de Minas Gerais. “Conservar a Serra de São Domingos é, como afirma Sônia Rabello Castro, ‘proteger do dano, da mutilação e da descaracterização’ ”, explica Françoise Jean , diretora de Proteção e Memória do Iepha-MG. Confira mais aqui.

Cadastre-se

Receba notificações de novas publicações

               

Paisagem Cultural do Rio ameaçada pela obstrução de prédios

Galeria completa aqui

Cadastre-se

Receba notificações de novas publicações

 

Cais do Valongo: patrimônio mundial. E agora?

Crédito: Sonia Rabello