Receba meu informativo

Rio: paisagem cultural sem gestão

4

Temos uma cidade declarada Paisagem Cultural Mundial. E daí? O que sabemos sobre o que este título nos garante quanto aos cuidados na preservação da paisagem da Cidade?

Sabemos pouco ou quase nada.  Até porque a UNESCO também não sabe.  Ela foi na “lábia” dos brasileiros e, contrariando as suas próprias recomendações, aprovou a chancela do título ao Rio, sem que o Governo Federal, proponente, apresentasse o Plano de Gestão da área chancelada, junto com a documentação da proposta.

Segundo as recomendações da UNESCO:

“108. Cada bem proposto para inscrição deverá ter um plano de gestão adequado, ou outro sistema de gestão documentado, que deverá especificar a forma como deve ser preservado o bem, de preferência por meios participativos.

109. A finalidade de um sistema de gestão é assegurar a proteção eficaz do bem proposto para inscrição, em benefício das gerações atuais e futuras.

110. Deve ser concebido um sistema de gestão eficaz em função do tipo, características e necessidades do bem proposto para inscrição e do seu contexto cultural e natural. Os sistemas de gestão podem variar conforme as diferentes perspectivas culturais, os recursos disponíveis e outros factores. Podem integrar práticas tradicionais, instrumentos de planeamento urbano ou regional em vigor, e outros mecanismos de controlo de planeamento, formal e informal.”

O Governo Federal ficou devendo à UNESCO o tal Plano de Gestão. Ficou de apresentá-lo até 2014.  Mas este é um prazo “suíço” – a UNESCO pensa que aqui é como na Suíça – supõe que no Rio nada mudará substancialmente até 2014.  Ledo engano.  Tudo no Rio tem sido voraz e a regra é não preservar.

Recebido o título, a Prefeitura do Rio sabe que tem até 2014 para comprometer e destruir tudo que for possível, em nome da Copa (2014), e das obras olímpicas.  Até porque quem é o responsável pelo Plano de Gestão junto à UNESCO é o governo federal (via IPHAN), sem qualquer responsabilidade da Prefeitura da Cidade, senão indiretamente.

A Prefeitura ainda pode dizer que fez a sua parte: trocou o nome do tradicional órgão de preservação cultural da Cidade para “Instituto Rio Patrimônio da Humanidade”. Uma retórica que satisfaz aos incautos; tudo aparência. É o que a “casa” oferece, e é só.

Veja a seguir o que está na pauta direta das destruições patrimoniais no Rio:

Constrói-se nas áreas de preservação ambiental e arqueológica da Ilha de Bom Jesus, destrói-se a Praça N.Sa. da Paz, enterra-se definitivamente o patrimônio arqueológico do Porto do Rio, constrói-se no Parque do Flamengo/Marina da Glória, destrói-se o complexo arquitetônico-cultural-desportivo do Maracanã, demole-se o prédio histórico do ex-museu do índio, deixa-se cair o Hospital S.Francisco de Assis, autorizando uma lâmina enorme ao seu lado influindo na sua visibilidade e segurança, empacha-se a visibilidade das montanhas do Rio com autorização de lâminas de 50 pavimentos na Região Portuária.

Veja também um pequeno relatório da situação dramática de alguns bens culturais do Rio no relatório da Comissão Especial de Patrimônio da CMRJ, que presidi em 2011. (Clique aqui)

Este texto é parcialmente fruto de minha participação no II Colóquio Íbero-Americano sobre Patrimônio Cultural, ocorrido em 19 a 21 de novembro em BH/MG, cujo tema foi Paisagem Cultural.

Deixe um comentário



* campos obrigatórios.
  • Bens históricos abandonados ou fechados no Rio 30 | Novembro | 2017
    Bens históricos abandonados ou fechados no Rio
    0

    Neste artigo do Urbe CaRioca, o arqueólogo e defensor do patrimônio cultural Cláudio Prado de Mello apresenta um elaborado trabalho com os principais bens históricos abandonados ou fechados no Rio de Janeiro. Confira aqui.

  • #BrasilComLei: Toffoli tem prazo normativo para dar uma “vista” no processo e devolvê-lo 24 | Novembro | 2017
    #BrasilComLei: Toffoli tem prazo normativo para dar uma “vista” no processo e devolvê-lo
    0

    Os ministros, como os antigos reis, estariam imunes aos mandamentos da lei? Não é verdade a afirmação de que não há prazo para que o ministro Toffoli devolva a julgamento o processo sobre privilégio de foro e que pediu vista. Se não cumpre o prazo, o ministro está descumprindo a norma. Cabe ao Tribunal a que pertence fazê-lo respeitar a normativa. Ainda que não haja uma sanção direta, há, por analogia formas de fazê-lo. Os cidadãos esperam que o cumprimento da norma, e o bom exemplo venha, sobretudo, do Supremo, juízes que mandam aplicar a lei a todos os demais cidadãos.  Vejam as normas que dispõem sobre os prazos de vista:  (mais…)

  • STF: (…) “E discutem com grande cultura e estupidez”… 6 | Novembro | 2017
    STF: (…) “E discutem com grande cultura e estupidez”…
    0

    Citando o jurista uruguaio Eduardo Couture, o ministro Luiz Fux, em entrevista à Folha de S.Paulo (confira aqui), referiu-se assim às discussões televisivas entre os ministros: …”um homem [ministro] se enamora de uma ideia, o outro se enamora de outra ideia. E discutem com grande cultura e estupidez…”.  (mais…)

  • “Os 90 dias que abalaram o mundo olímpico: Eike Batista e a caixa-preta que falta ser aberta” 20 | Outubro | 2017
    “Os 90 dias que abalaram o mundo olímpico: Eike Batista e a caixa-preta que falta ser aberta”
    0

    história olímpica nunca mais poderá ser contada sem um grande capítulo destinado ao Rio-2016. Não pela bela festa de abertura, mas pela porta dos fundos, coberta de uma mancha de corrupção. (mais…)

Cadastre-se

Receba notificações de novas publicações

 

Bens históricos abandonados ou fechados no Rio

Crédito: Claudio Prado de Mello
               

Cadastre-se

Receba notificações de novas publicações

Paisagem Cultural do Rio ameaçada pela obstrução de prédios

Galeria completa aqui

 

Setembro/2017 - Praça em frente ao Teatro do Centro Histórico de Manaus

Crédito: Sonia Rabello