Receba meu informativo

Cais do Valongo: patrimônio mundial. E agora?

0

Noticiado, nestes últimos dias, o reconhecimento das área onde se localizou o Cais do Valongo como patrimônio mundial, bem no centro da Região Portuária do Rio de Janeiro. E isso é importantíssimo para a história da Cidade do Rio de Janeiro, e do Brasil, até para nos fazer lembrar da triste memória de tempos turvos da humanidade.

Registros feitos pelo blog em março de 2011

A descoberta do Cais do Valongo foi um acaso que aconteceu no começo das obras na Região Portuária. Não foi fruto de nenhum cuidado com o patrimônio histórico e arqueológico. Porém, a estrutura revelada foi de tal ordem, que foi impossível negá-la ou varrê-la para debaixo do tapete. Ainda bem.

O reconhecimento internacional pela UNESCO deste sítio não permite que nem o órgão nacional de proteção do patrimônio cultural nacional – o Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (IPHAN), nem os órgãos estadual (Instituto Estadual do Patrimônio Cultural – INEPAC) e municipal (Instituto Rio Patrimônio da Humanidade – IRPH) se omitam quanto à continuidade do seu processo de proteção e conservação, não só do sítio, como do seu entorno. E a proteção deste sítio é complexa, já que a área foi justamente escolhida para ter um enorme impacto de substituições urbanas, que pouco dão atenção à preservação.

 

Registros feitos pelo blog em março de 2011

Destaco alguns aspectos urgentes:

1. A área deveria ter um tombamento específico pelo órgão nacional, o que não aconteceu até o momento; inclusive com a delimitação do seu entorno e ambiência de proteção. Pelo fato de ser um sítio arqueológico histórico da maior importância, há dúvidas se a legislação nacional específica de arqueologia oferece a proteção de preservação que o sítio requer. É surpreendente que o sítio tenha sido levado à categoria de patrimônio mundial sem que o mesmo fosse objeto de tombamento à nível nacional.

2. Embora esteja afirmado no texto “Sítio Arqueológico do Cais do Valongo” na página do IPHAN, às fls.9, que “a zona de amortecimento está protegida por legislação federal e municipal de proteção do patrimônio arquitetônico e urbanístico, como também pela lei de proteção do patrimônio arqueológico“, temos dúvidas sobre a real existência destas normas de efetiva proteção. Onde elas estão publicadas?  Nada fica claro, o que é surpreendente, para um documento que tem que esclarecer bem a normativa para que haja efetivo controle social que o assunto requer.

3. O terceiro ponto é a gestão. Prometeu-se à UNESCO, no documento acima citado, a num “futuro próximo, . dar continuidade às pesquisas arqueológicas, apontando para a ampliação da janela arqueológica existente;-  promover o conhecimento e a difusão sobre o sítio e a coleção, criando um centro de acolhimento turístico e um memorial da celebração da herança africana, a ser instalado no prédio das Docas D. Pedro II; – recuperar, através do tratamento paisagístico, e de sinalização a relação do sítio arqueológico com a Baía da Guanabara”. Contudo, os três órgãos de preservação patrimonial estão à míngua (IPHAN, INEPAC e IRPH). Nenhum deles têm, em seus orçamento, nenhum tostão para este projeto. Aliás, sobre a situação do IRPH – orgão municipal de preservação – noticiou-se, nesta mesma semana, sua situação de orçamento zero!

O surpreendente disto é que, apesar do revelação do Valongo e da sua importância ter sido revelada há mais de seis anos, o governo municipal que propôs o projeto do Porto “Maravilha”, destinou quase R$ 300 milhões (entre obra e manutenção) ao novo “Museu” do Amanhã, e nada ao sítio do passado negro!

Aliás, dos quase R$ 4 bilhões pagos pelo Fundo Imobiliário da Caixa à Prefeitura, via CDURP, e destinado ao Consórcio Porto Novo (Odebrecht, Carioca, e OAS), nada foi destinado ao festejado sítio patrimônio mundial.

Tudo isso é um querer, sem querer… Uma festa, ainda sem compromissos. Mas, compreendendo melhor, há chances de ir mudando.

Confira mais registros dos trabalhos no vídeo abaixo:

Obs: Em 1843, o cais foi reformado para o desembarque da princesa Teresa Cristina de Bourbon-Duas Sicílias, que viria a se casar com o imperador D. Pedro II. O atracadouro passou então a chamar-se Cais da Imperatriz.

 

Leia também:

Patrimônio Histórico e Cultural – O Morro da Conceição e o Jardim Suspenso do Valongo

VLT do Rio atropela a lei e o Patrimônio Cultural da Cidade

“Corrida do Rio rumo ao futuro atropela passado escravo” no New York Times

Deixe um comentário



* campos obrigatórios.
  • “Os 90 dias que abalaram o mundo olímpico: Eike Batista e a caixa-preta que falta ser aberta” 20 | Outubro | 2017
    “Os 90 dias que abalaram o mundo olímpico: Eike Batista e a caixa-preta que falta ser aberta”
    0

    história olímpica nunca mais poderá ser contada sem um grande capítulo destinado ao Rio-2016. Não pela bela festa de abertura, mas pela porta dos fundos, coberta de uma mancha de corrupção. Um enredo ainda em andamento. Ao certo, já é possível saber que a parte de maior ação desta obra está concentrada em 90 dias que abalaram o mundo das Olimpíadas, em 2009, e que precederam a escolha da sede de 2016. Neles, o leitor do futuro irá encontrar o ataque final aos votos do bloco africano, compra de eleitores, doações emergenciais e milionárias de dinheiro às vésperas do pleito. Confiram a íntegra desta reportagem da Agência Sport Light aqui.

  • STF é um Colegiado? 11 | Outubro | 2017
    STF é um Colegiado?
    0

    Se o Supremo Tribunal Federal é um Colegiado, um tem que ouvir o outro até o final. Como então em importante julgamento, nesta terça-feira, dia 11 de outubro, houve ministros que se retiraram do plenário antes do final do julgamento? Poderiam, ao ouvirem, até modificar as suas opiniões. Deveriam ser mais disciplinados e dar exemplo de dedicação às suas funções. Salvo doença, o que justifica a saída definitiva de um Ministro do plenário antes de ouvir todos, até o final? Outras atividades? Além de falta de educação, é falta de respeito ao julgamento !

  • Parque do Flamengo enfrenta situação de abandono 11 | Outubro | 2017
    Parque do Flamengo enfrenta situação de abandono
    0

    Árvores sem poda, deck quebrado e banheiro químico sujo. Essas são algumas das reclamações dos frequentadores do Parque do Flamengo. A situação é mais crítica no trecho entre o posto 3 e a Rua Dois de Dezembro. Segundo a Secretaria Municipal de Conservação e Meio Ambiente, as obras de reestruturação foram interrompidas por causa de questões burocráticas no contrato de execução dos serviços em novembro do ano passado. (Confira aqui)

    Cadastre-se

    Receba notificações de novas publicações

     

    Praça do Teatro do Centro Histórico de Manaus

    Crédito: Sonia Rabello
                   

    Paisagem Cultural do Rio ameaçada pela obstrução de prédios

    Galeria completa aqui

    Cadastre-se

    Receba notificações de novas publicações

     

    Setembro/2017 - Praça em frente ao Teatro do Centro Histórico de Manaus

    Crédito: Sonia Rabello